No liquidificador

Não me domo por inteiro, só um pedacinho. Só um pedacinho de mim me obedece. É um exercício, esse de me colocar sobre tudo, essa tentativa de manter o controle sobre todas as coisas.

Pelo amor de Deus

Não vê que isso é pecado desprezar quem lhe quer bem

Não vê que Deus até fica zangado vendo alguém

Abandonado

Pelo amor de Deus.

eletro

Aí você aparece, e eu fico nesse misto de gratidão e remorso, servidão e angústia. Você e os novos eus de espíritos distintos. E corpos.

Meu espírito

Eu queria

Que você buscasse

E a gente encontrasse

De novo

O amor

Palavra besta

A inefabilidade das coisas de repente

Pra sempre.

(o corpo também. não vou negar)

Era pra ter acabado aqui.

Mas algo em mim só vai, ou só acompanha. É o meu primeiro de tudo, o meu eu-essência. Esse que nem sabe falar, não conhece a maquiagem das palavras. O efeito bárbaro que elas têm, e vamos evidenciar aqui a ambiguidade da palavra

bárbara.

A vida é bárbara.

Cada palavra é um gancho, isca para

assustadoras

                                                   águas

                                                                                                                 de correnteza inconstante.

Convida ao mergulho dos sonhos, mas esconde redemoinhos fatais como a própria vida e a morte. Fatais como apenas a vida e a morte.

Paralisa, e suga quase sem direito à grandeza.

O homem

Menino

Tantos

Um

Das poucas certezas

Bem poucas mesmo

A de dar conta de viver

Só não ali, no redemoinho

Só não com você, sem dar as mãos, preservado para florescer

Você, digno

Na grandeza que jamais perde, nem quando falha

Sorte de quem fica

Contigo

No esmiuçar veloz ou preguiçoso das horas.

(quem morre renasce? Como? Se ao menos o próprio Deus onisciente

com sua voz de onipotência

revelasse)

Fazia tempo que eu não escrevia. Me veio como um jorro áspero, detrítico, dor na garganta, enjoo daqueles do estômago não poder ficar vazio um segundinho sequer.

As coisas se juntam, se não fala, viram enjoo. Dor. Doença. Redemoinho. Morte.

Então,

À medida que eu posso

Eu boto pra fora

Feito vômito

Umas palavras vindas de lugares diferentes

De um mesmo corpo

Quase sem nenhum filtro

Só assim alternando a velocidade do liquidificador

Pra saber a textura exata que eu quero.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s